MS completa 44 anos como 6º estado mais competitivo e quer ser modelo em sustentabilidade

0

Neste 11 de outubro, data em que comemoramos os 44 anos de criação de Mato Grosso do Sul, o secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), destaca as melhorias no bem-estar e qualidade de vida da população sul-mato-grossense, bem como os avanços em termos econômicos, sociais e ambientais obtidos ao longo de quatro décadas.

Um dos itens destacados pelo secretário é o 6º lugar obtido por Mato Grosso do Sul no Ranking de Competitividade dos Estados, elaborado e divulgado pelo CLP (Centro de Liderança Pública). “Esse é um ranking que indica muito mais do que apenas o ambiente de negócios. Ele quer dizer que, dentre as 27 unidades da Federação, Mato Grosso do Sul é o 6º estado brasileiro mais competitivo. Estamos falando de qualidade de vida das pessoas, do bem estar das pessoas, de avanços que são fruto de políticas públicas que foram aprimoradas nos últimos anos e que hoje apresentam resultados expressivos”, comenta Jaime Verruck.

Outro ponto destacado pelo titular da Semagro é a política de desenvolvimento aprimorada pelo Governo do Estado com a lógica de industrializar o Estado, aproveitando-se da sua vocação para o agronegócio. “Mato Grosso do Sul, através de uma política de desenvolvimento industrial sólida, já prospectou investimentos da ordem de R$ 33 bilhões nos últimos 6 anos, com a perspectiva da geração de mais de 23 mil empregos diretos. Hoje podemos comemorar a marca de ser o 3º estado do país que mais gera empregos formais, proporcionalmente à sua população, a marca de ser o 1º em transparência pública e diversos indicadores favoráveis, que viabilizam a atração de investimentos e a criação de oportunidades de trabalho”, reforça Verruck.

O PIB industrial do Estado teve crescimento acumulado de 44,1%, de 2009 a 2018, demonstrando a força desse setor produtivo sul-mato-grossense, passando de 18% para 22,26% em 2018. Por meio da industrialização da madeira, da soja e do milho, Mato Grosso do Sul conseguiu atrair investimentos vultosos em diversos municípios, como a indústria da celulose, a fabricação de óleo de soja e biodisesel e a mais recente matriz industrial do Estado: a fabricação de etanol a partir do milho.

“Já somos o 6° maior parque industrial de processamento de soja no país, o 2º em abate bovino, o 5° maior exportador de carne bovina no Brasil, o 5° maior exportador de carne de aves, o 6º maior exportador de carne suína, e o maior exportador de carne de peixe do país”, acrescenta o secretário.

Com a 2° maior área cultivada de eucalipto do país com mais de um milhão de hectares, 14,77%, Mato Grosso do Sul responde por 25% da produção nacional de celulose, sendo líder nacional na exportação deste produto com 4,5 milhões de toneladas respondendo em 2020 com 28,7% da pauta estadual. No setor sucroenergético, as 18 usinas em operação no Estado nos deixam na terceira posição nacional na produção de etanol com 11,34% e, quinto na produção de açúcar com 5% da produção nacional.

“Como é bom chegar aos 44 anos, reconhecendo a importância do binômio soja e boi na edificação de nossa economia e indo além disso, com inovação, tecnologia e sustentabilidade, vendo a soja registrar uma expansão de 1 milhão de hectares de área plantada nos últimos 7 anos e bater recordes de colheita e de produtividade. Vendo o nosso rebanho bovino com 20 milhões de cabeças e um forte trabalho de recuperação de pastagens degradadas. Como é bom ver Mato Grosso do Sul com o 2º maior parque florestal do país e ser o maior exportador de celulose do país, ser um grande exportador de soja, de aves, de pescado, de etanol, de suínos. Chegamos onde pretendíamos chegar e em uma posição extremamente favorável”, ressalta o secretário.

Mato Grosso do Sul, segundo dados do IBGE, foi o terceiro Estado com maior crescimento no valor adicionado pela indústria em todo o país de 2009 a 2018. Isto significa que a economia sul-mato-grossense está agregando valor a nossa matéria-prima e gerando emprego, renda, impostos e qualidade de vida à nossa população. A expectativa do aumento do PIB do Estado para 2021 é de 5,8%, com saldo positivo de 34,2 mil empregos formais de janeiro a agosto de 2021, acumulando 44,8 mil empregos formais nos últimos doze meses, segundo dados oficiais do Ministério do Trabalho.

“Agora, nossa perspectiva é trabalhar o conceito da sustentabilidade, com políticas públicas que viabilizem ações para mitigar a emissão de CO2 e reduzir os efeitos ligados às mudanças climáticas. Para isso, Mato Grosso do Sul apresenta um novo cenário para a população, que é o MS Estado Carbono Neutro. Hoje, nosso Estado está totalmente alinhado com as principais iniciativas nacionais e internacionais nessa temática, como o Governadores pelo Clima, Consórcio Brasil Verde e a Race to Zero, ligada à COP26”, pontua o titular da Semagro.

Na avaliação do secretário, “é uma nova perspectiva que se coloca em termos de atração de investimentos sustentáveis, de fomento à inovação e pesquisa científica, de oportunidades de trabalho. Nossa meta é zerar a emissão de carbono até 2030.  Com as ações decorrentes do MS Estado Carbono Neutro, Mato Grosso do Sul deve mudar de patamar em nível nacional e internacional. Assumimos um posicionamento estratégico em relação à neutralização de carbono. Esse é um dos diferenciais que apresentamos hoje”, finaliza Jaime Verruck.

Publicado por: Marcelo Armôa, Assessoria de Comunicação da Semagro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui